Nações Unidas promovem uso dos sistemas de irrigação com energia solar

Os sistemas de irrigação que usam energia solar já representam uma tecnologia acessível e favorável ao clima, tanto para pequenos agricultores quanto para grandes fazendas em países em desenvolvimento.

Muitos governos da América Latina estão promovendo seu uso para comunidades agrícolas isoladas, como a República Dominicana, Chile e Argentina mostraram recentemente.

No entanto, na apresentação do seu novo relatório “Visão global dos benefícios e riscos da irrigação por energia solar”, que teve lugar em um fórum internacional em Roma (12-13 de abril), a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentos (FAO) aponta que esses sistemas devem ser gerenciados e regulados de maneira apropriada para evitar o uso insustentável da água.

A queda acentuada no preço dos painéis fotovoltaicos dá um novo impulso a essa fonte de energia renovável como forma de melhorar a capacidade de irrigação. As futuras reduções de preços poderiam impulsionar uma revolução em lugares como a África Subsaariana, onde apenas 3% da área cultivada é irrigada, sete vezes menos que a média mundial.

“A rápida expansão da irrigação de energia solar cada vez mais acessível oferece soluções viáveis ​​que abrangem as ligações entre água, energia e alimentos, oferecendo uma grande oportunidade para os pequenos agricultores melhorarem seus meios de subsistência, prosperidade econômica e segurança alimentaria “, disse a vice-diretora geral da FAO, Helena Semedo.

No fórum internacional de Roma se presentaram o Relatório Mundial da FAO e as ferramentas on-line sobre sistemas de irrigação movidos a energia solar, desenvolvidos em conjunto com a Agência Alemã de Cooperação Internacional ( GIZ) e projetados para fornecer orientação prática para usuários finais, formuladores de políticas e doadores.

“As oportunidades oferecidas pela energia solar mais barata também aumentam a urgência de garantir a existência de sistemas adequados de gestão e governança da água”, disse Eduardo Mansur, diretor da Divisão de Terra e Água da FAO. “Precisamos pensar estrategicamente”, acrescentou ele, “sobre como essa tecnologia pode ser usada para encorajar o uso mais sustentável dos recursos de água subterrânea para evitar riscos como desperdiçar água e superexplotá-la”.

A África Subsaariana e a América Latina fazem um emprego relativamente baixo a partir da irrigação em terras agrícolas, o que implica que há um potencial considerável para expandi-la.

Avaliar hoje a viabilidade econômica de um sistema de irrigação que utiliza energia solar requer a consideração de uma ampla gama de parâmetros, incluindo o tamanho e a configuração do sistema, a capacidade e a viabilidade do armazenamento de água, a profundidade do poço, o afastamento da área e o tipo de solo a irrigar. Os chamados “períodos de amortização” para esses investimentos dependem das condições, culturas e mercados supracitados, e também da presença de incentivos nos preços oferecidos pelos governos.

A FAO pede que os governos revisem seus planos de incentivo para favorecer “subsídios verdes” em detrimento daqueles oferecidos com combustíveis fósseis.

Uma das principais recomendações da FAO para aumentar o uso de irrigação com energia solar é garantir que a água não seja extraída sem um plano adequado de gerenciamento.

Há muito trabalho a ser feito a esse respeito: uma pesquisa com especialistas de 25 países sugere que, enquanto três quartos dos países têm programas e políticas governamentais para promover a irrigação em pequena escala, menos da metade tem regulamentações específicas para limitar a extração de águas subterrâneas para este fim.

Além disso, o uso de painéis fotovoltaicos para irrigação tem vantagens adicionais: os painéis produzem energia mesmo quando não há necessidade de água, o que oferece oportunidades para usar máquinas para descascar arroz, moinhos, estações de tratamento de água ou unidades de armazenamento no frio, tudo o que contribui para o desenvolvimento rural e gera renda. Em alguns casos, a energia solar também pode se tornar uma “safra comercial” se os agricultores forem encorajados a reduzir o bombeamento excessivo de água e optar por acumular e vender seu excedente de energia à rede.